CRCMG realiza IV Seminário de Auditoria e Controladoria

Publicado em: 09 | 12 | 2019

por Assessoria de Comunicação do CRCMG

Foi realizado, no dia 6 de dezembro, na sede do Conselho Regional de Contabilidade de Minas Gerais (CRCMG), o IV Seminário de Auditoria e Controladoria, evento que teve como objetivo estimular discussões sobre a contabilidade e a auditoria independente, sua adaptação ao mercado brasileiro contemporâneo e as perspectivas para o futuro, contribuindo, assim, para o desenvolvimento dos profissionais e da profissão contábil.

A abertura foi realizada pela presidente do CRCMG, contadora Rosa Maria Abreu Barros, que destacou o papel fundamental do auditor externo para aumentar o grau de confiança das organizações, garantindo, inclusive, sua reputação e imagem. “O Conselho Regional de Contabilidade de Minas Gerais está atento às demandas da sociedade e dos auditores e reconhece a necessidade de um trabalho contínuo para que os órgãos reguladores acatem as propostas de adaptação e adequação da legislação às inúmeras inovações tecnológicas que estão sendo desenvolvidas e que vêm justamente para ajudar auditorias e empresas nesse caminho.”, disse.

O conselheiro e coordenador da Comissão de Educação Continuada do CRCMG, Alexandre Queiroz de Oliveira, falou dos temas que serão abordados no seminário e frisou a importância de conhecer os órgãos reguladores e de compreender o papel do auditor no atual cenário brasileiro.

O primeiro painel do dia, “Compliance, gestão de riscos, governança coorporativa e sustentabilidade”, foi apresentado pelo vice-coordenador da Comissão de Finanças e Contabilidade do Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC), Jorge Manoel. O palestrante apresentou uma visão geral sobre o tema, destacando sua importância e a necessidade de haver o envolvimento das pessoas para o alcance dos resultados esperados.

No painel “O auditor independente no cenário atual perante a CVM”, realizado pelo gerente de normas de auditoria da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), Madson de Gusmão Vasconcelos, foram apresentados e discutidos questões e problemas identificados em relatórios emitidos por auditores sobre demonstrações contábeis. “A solução das questões é seguir as normas profissionais de emissão de relatórios de auditoria.”, concluiu ele.

O painel “IFRS 16 - CPC 06 - Operações de arrendamento mercantil”, apresentado por Fernando Galdi, doutor em Controladoria e Contabilidade, deu início às apresentações do seminário no período da tarde. De acordo com Fernando, “algumas empresas já adotaram o pronunciamento do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC) e uma outra parcela significativa adotará o pronunciamento em dezembro. Por isso, é necessário que todos estejam preparados para as mudanças”. Para atualizar os presentes, ele falou sobre os impactos desse pronunciamento e sobre assuntos como a nova definição de arrendamento mercantil, modelo único de reconhecimento para arrendatário e mensuração do direito de uso do ativo e do respectivo passivo.

Para finalizar o seminário, Adriano Thomé, membro do Grupo de Trabalho Firmas de Auditoria de Pequeno e Médio Portes, do Instituto dos Auditores Independentes do Brasil (Ibracon), falou sobre as “Novas demandas de trabalhos de asseguração”. Segundo ele, as demandas de trabalho vão ter que partir dos próprios profissionais da contabilidade. “Não podemos esperar algum órgão regulador falar que é necessário fazer determinado trabalho. Não há fórmula mágica para que as firmas possam desenvolver seus negócios através de novos serviços. É preciso pensar fora da caixa e ter criatividade para se destacar.”, disse Thomé.

Ele também falou sobre a importância da segmentação e da inovação dentro da empresa. “Você tem que pensar no que pode fazer de novo para ampliar seu negócio, para que não fique para trás em relação às outras empresas. O que pode ser feito para aumentar os seus serviços vai depender do que cada um quer para si. Especializar em um segmento é uma alternativa. Ter o foco em determinados clientes pode ajudar.”, finalizou Thomé.